Érica Lopes Ruivo

Mulher, mãe, filha, esposa, neta, enfermeira de profissão e estudante da especialidade/mestrado de Enfermagem de Saúde Materna, Obstétrica e Ginecológica ou simplesmente aprendiz de Parteira. Apesar de desde os tempos da escola de enfermagem ter logo percebido o gosto pela saúde materna e obstetrícia, e ter sido mãe em 2010, foi em 2012 que, inspirada por Ricardo Jones, mergulhei nos significados profundos do nascimento e do seu verdadeiro potencial. Encontrar pelo caminho verdadeiros mestres, aliando na perfeição o conhecimento científico com a natureza humana, foi o que despertou em mim a certeza de algo que sempre esteve no meu coração. Esta paixão pelo nascimento, o reconhecimento do poder transformador que pode ter esta experiência na vida das mulheres, dos seus filhos e, em última análise, de toda a humanidade, é o que me move. Ativista por natureza, é uma honra e um prazer integrar a Associação Portuguesa pelos Direitos das Mulheres na Gravidez e no Parto, grupo da sociedade civil, numa época em que, acredito, se pode fazer muito por esses mesmos direitos.

É com sentido de missão que espero poder dar o meu contributo para nascimentos com amor, harmonia e consciência. Talvez seja algo que corre no sangue pois já as minhas bisavós Ana da Ressurreição e Jesuína de Assunção Pato ajudavam as mulheres que as rodeavam a dar à luz, com amor…