Campanhas e Eventos

Experiências de Parto em Portugal ~ 2015-2019

A Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto convida todas as mulheres que tiveram um parto em Portugal entre 2015 e 2019, inclusive, a participar na 2.ª edição do inquérito “Experiências de Parto em Portugal”. Para aceder ao inquérito, clica aqui. O nosso objetivo é dar-vos voz e conhecer, na primeira pessoa, as vossas experiências sob o ponto de vista das características do parto e da satisfação pessoal com o mesmo, assim como de eventuais situações de abuso ou desrespeito que possam ter sido vivenciadas no seu decorrer. Os resultados da 1.ª edição deste inquérito (disponíveis aqui) foram importantíssimos para mostrar um panorama da assistência obstétrica em […]

“Violência obstétrica e ginecológica” – Resolução 2306 de 2019 da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa

Depois do relatório especial sobre maus-tratos e violência contra as mulheres nos serviços de saúde reprodutiva , apresentado este ano na Assembleia Geral das Nações Unidas, é a vez da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa reconhecer o problema da violência obstétrica. Na Resolução 2306 de 2019 , a “Violência obstétrica e ginecológica” é considerada “uma forma de violência que tem sido ocultada e demasiadas vezes ignorada. Na privacidade de uma consulta médica ou do parto, as mulheres são vítimas de práticas que são violentas ou percecionadas enquanto tal. Estas incluem atos inapropriados ou não consensuais, tais como episiotomias e palpações vaginais efetuadas sem consentimento, pressão fundal ou intervenções dolorosas […]

A questão do Parto em Casa em Portugal

A Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto está preocupada com a desinformação e falta de rigor da evidência científica e circunstancial da notícia publicada a 6 de Setembro [1] e das notícias que se seguiram sobre uma mulher que, no seguimento de uma transferência de parto domiciliar, lamentavelmente faleceu devido a uma hemorragia decorrente de uma cesariana. Em primeiro lugar, queremos expressar o nosso pesar. Os nossos pensamentos estão com a família desta mulher, neste momento difícil, assim como com os profissionais que acreditamos terem feito tudo o que lhes foi possível para a assistir. Muito lamentamos a especulação e exploração da vida privada desta família […]

Fecho rotativo das urgências de obstetrícia em Lisboa ~ Posição da APDMGP

A Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto está a acompanhar com preocupação e perplexidade as noticias saídas ontem a público acerca do fecho rotativo das urgências de obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa, Hospital de Santa Maria, São Francisco Xavier e Amadora Sintra, durante os meses de verão, por escassez de recursos humanos, nomeadamente obstetras e anestesistas. Esta medida, avançada pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) foi já confirmada pela Ministra da Saúde, Marta Temido, e está previsto ser implementada na última semana de julho e durante os meses de agosto e setembro, altura em que mais profissionais se encontram […]

Relatório sobre Violência Contra Mulheres para as Nações Unidas

No passado dia 17 de maio, a Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto submeteu, em resposta ao apelo da Relatora Especial das Nações Unidas sobre Violência Contra Mulheres, do Alto Comissariado para os Direitos Humanos desta instituição, um relatório sobre maus tratos e violência contra mulheres no âmbito da sua saúde reprodutiva, com foco na assistência ao parto. A Relatora Especial pretendeu, com este pedido, informar-se sobre a situação das mulheres no mundo em termos de respeito pelos direitos humanos no contexto da assistência ao nascimento. Tanto quanto sabemos, foi a primeira vez que tal pedido de informações foi feito e aplaudimos a iniciativa de recolher […]